O papel da competência emocional na liderança positiva

Ser inteligente emocionalmente não implica necessariamente competência no que diz respeito a esta habilidade.

Ser competente em termos emocionais significa ser capaz de pensar, perceber e, a partir disto, gerir os próprios sentimentos, emoções (e atitudes), incluindo o compreender a linguagem emocional do outro – a qual é fundamentalmente não verbal.

A capacidade de alinhar aquilo que se diz àquilo que se demonstra gestualmente, através de pequeninas expressões, ricas de mensagens emocionais (direção do olhar, qualidade do sorriso, posição do corpo, ritmo respiratório, etc) é uma grande habilidade, que exige prática, a qual inclui alguns elementos fundamentais: autoconsciência, autocontrolo, consciência social e gestão das relações.

Autoconsciência
A autoconsciência diz respeito ao conhecimento de si, dos próprios pensamentos, motivações, atitudes e afetos. Quantas vezes são feitas e ditas coisas completamente contrárias àquilo que verdadeiramente se acredita ou se sente, porém sem qualquer consciência desta discrepância.

Autocontrolo
O autocontrolo refere-se à capacidade de se conter, no sentido de reconhecer o que se sente e, mesmo diante de um grande desconforto ou de uma grande alegria, pensar e agir conforme o que se pretende como razoável/ajustado à situação e objetivos da pessoa.

Consciência Social
A consciência social é a habilidade de perceber que o outro também possui um mundo mental, cheio de emoções, pensamentos, desejos e expectativas. Não somos todos movidos e mobilizados pelas mesmas interpretações do mundo.

Gestão Eficaz das Relações
A gestão eficaz das relações é o resultado do exercício de todas as habilidades acima destacadas. Significa a capacidade de diálogo sincero, porém respeitoso. É o saber se colocar sem culpabilizar, sem intimidar, sem se vitimizar… É o estar presente “de corpo e alma” demonstrando interesse e boa vontade para encontrar uma solução sincera e construtiva.

Somente com autoconhecimento, autocontrolo e consciência social é possível, verdadeiramente, se tornar competente emocionalmente e, como todas as outras competências, esta também precisa de apoio, aprendizagem, treino, desafio e experiência.

Um líder sem competência emocional acaba por sabotar as suas próprias intenções positivas, gerando desconfiança, descrédito e um clima de perseguição e ausência de afetos positivos.

Para liderar de maneira positiva e construtiva é preciso, em primeiro lugar, conhecer a si mesmo e trabalhar os “pontos cegos” que impedem de ver as forças e potenciais individuais e da equipa como um todo.

 

Marcela Almeida Alves

Psicóloga, Coach & Formadora

Partilhe:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *